Eu, Robô – PlayStorm

Eu, Robô

Primeiro: Esqueça o filme de 2004. Ele foi (mal) adaptado e mesmo seguindo a ideia principal do livro, está distante de representar a sua grandiosidade.

Os contos de Eu, Robô são um marco na história da ficção científica. Seja pela introdução às Leis da Robótica, pelos personagens sensíveis, carismáticos, instigantes e inesquecíveis ou por seu olhar completamente novo a respeito das máquinas. Vivam eles na Terra ou no espaço sideral; sejam domésticos ou especializados, submissos ou rebeldes, meramente mecânicos ou humanizados, os robôs de Asimov conquistaram a cabeça e a alma de gerações de escritores, cineastas e cientistas, sendo até hoje fonte de inspiração de tudo o que lemos e assistimos sobre essas criaturas mecânicas.

Quem foi Isaac Asimov?

Isaac Asimov nasceu em Petrovichi, oeste da Rússia, em 1920 e faleceu em 1992. Foi um escritor e bioquímico autor de obras de ficção científica e divulgação científica.

Asimov é considerado um dos três grandes mestres da Ficção Científica, junto com Robert A. Heinlein e Arthur C. Clarke. Sua obra mais famosa é a série da Fundação, também conhecida como Trilogia da Fundação, que faz parte da série do Império Galáctico e que logo combinou com sua outra grande série, Robots. Também escreveu obras de mistério e fantasia, assim como uma grande quantidade de não-ficção. No total, escreveu ou editou mais de 500 volumes, aproximadamente 90 000 cartas ou postais, e tem obras em cada categoria importante do sistema de classificação bibliográfica de Dewey, exceto em filosofia.

A maioria de seus livros mais populares sobre ciência, explicam conceitos científicos de uma forma histórica, voltando no tempo o mais longe possível, quando a ciência em questão estava nos primeiros estágios. Ele providencia, muitas vezes, datas de nascimento e falecimento dos cientistas que menciona, também etimologias e guias de pronunciação para termos técnicos. Alguns exemplos incluem, “Guide to Science”, os três volumes de “Understanding Physics” e a “Chronology of Science and Discovery”, e trabalhos sobre Astronomia, Matemática, a Bíblia, escritos de William Shakespeare e Química.

Contos e cronologia

Eu, Robô reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo. Que contêm em suas páginas, pela primeira vez, as célebres Três Leis da Robótica*. Os princípios que regem o comportamento dos robôs e que mudaram definitivamente a percepção que se tem sobre eles na literatura e na própria ciência.

O mais interessante para mim desse livro é a ordenação dos contos. Todos eles são organizados em ordem cronológica acompanhando a evolução da empresa de robótica U.S. Robots & Mechanical Men durante os anos de 1996 e 2052, e mostrando personagens recorrentes. Por conta disso, o leitor pode observar a evolução dos robôs na visão da U.S. Robots, desde as funções básicas de um robô-babá até o poder extraordinário que um cérebro positrônico pode ter. Mas essa evolução se torna problemática em várias histórias, já que os robôs são propensos a falhas.

E pensar que Asimov foi além da sua época, imaginando um futuro que ainda está engatinhando para nós! Eu, Robô é o livro ideal para quem gosta do assunto. E é uma ótima opção para você que gosta de contos. Asimov nos entrega uma história com qualidade, deixando aquela sensação que o futuro, não tão distante, poderá ser extraordinário.

*As Três Leis da Robótica, segundo Asimov, são:
1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Leis.

Compartilhe!

Saulo Martins

Saulo Martins

Pai, Designer e Gamer. Vai escrevendo sua opinião sobre as coisas enquanto arruma um tempo para ler alguns livros e jogar League of Legends.