Good Omens | Crítica

A eterna e milenar guerra entre céu e inferno contada de uma forma divertida, sarcástica e com performances inspiradas de seus protagonistas. Uma fórmula certeira. É o que vemos aqui em Good Omens e os motivos eu conto abaixo.

Sinopse

“Ambientada em 2018, a série seguirá o anjo Aziraphale (Sheen) e o demônio Crowley (Tennant), que, acostumados com a vida na Terra, procuram impedir a vinda do anticristo e com ele a batalha final entre o Céu e o Inferno.”

Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno

Contando com seis capítulos em uma temporada, a série tem tamanho enxuto e honesto. Tamanho justo para a narrativa contada, sem tirar nem pôr. Por isso, temos uma história que se desenvolve sem percalços e sem as famosas e comuns “barrigas”, aquelas alongadas sem necessidade.

Falando da história, a mesma tem uma profundidade média que cumpre o propósito, pois o foco da narrativa é total em cima do carisma dos personagens (principais e secundários). O demônio Crowley (David Tennant) é divertidíssimo com seus sarcasmos e sua total falta de paciência. Já Aziraphale (Michael Sheen) é o contraponto, muito mais comedido e (às vezes) centrado. E a graça está justamente em como eles se relacionam e muitas vezes trocam de papel.

Good Omens | Crítica

Deus no comando (ou não)

A direção da série é coesa e merece muito destaque em como conduz as cenas, mas a fotografia ajuda e muito no charme dos personagens. As paletas de cores são precisas em ambientar o espectador para que não haja nenhuma dúvida do tom da cena. Alem disso, a forma como os personagens secundários são bem introduzidos em cena só eleva o nível de tudo.

Alguns merecem muito destaque, como o  Arcanjo Gabriel, interpretado pelo sempre ótimo Jon Hamm. Jon repete aqui o nível de atuação que o consagrou em Mad Man e Baby Driver, trazendo um Gabriel debochado, pedante e completamente sem paciência com equívocos. Isso acaba por render sequências hilárias que servem de contraponto para os momentos sérios.

Good Omens | Crítica

Juízo final

Good Omens é uma série divertida, leve e muito agradável. É muito certeira em tudo que se propõe e abusa (no bom sentido) do senso de humor britânico. Atuações impecáveis (principalmente dos três citados na resenha) e uma fotografia afiada fazem com que o espectador não sinta os seis capítulos passarem. Ótimo trabalho de Neil Gaiman (ele mesmo).

A série está disponível no serviço de streaming Amazon Prime.

 

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...