Playstorm Assiste #5 – 24: Live Another Day – O final

“Cara, sabe que esse formato de 12 episódios é bem legal?”. Com esse pensamento eu assisti os créditos finais da temporada de 24 horas, temporada essa que cumpriu com maestria a missão em trazer-nos de volta o agente mais pica do mundo, Jack Bauer.

Não que não tivemos esse ou aquele momento clichê ou as costumeiras forçadas de amizade, mas isso é um assunto que vou tratar no final deste texto. Por hora, vamos aos fatos dos últimos três episódios da temporada. Cuidado com spoilers, eles abundam o texto de agora em diante.

Episódio 10

Navarro continua fugindo e dá um jeito de passar o dispositivo para Cross, o novo namoradinho de Chloe. Com o dispositivo em mãos, Cross dá um tchauzinho pra Navarro que é capturado em seguida por Jack e time. O bonitão chega ao escritório da CTU CIA e faz a chantagem das chantagens: trocar a localização do dispositivo por imunidade total.

Foi bastante comovente testemunhar a reação de Kate ao saber que Navarro havia incriminado seu marido conscientemente. E o pior: a descrença de Kate na inocência deste o levou a suicidar-se na cadeia.

Jack se aproveita deste momento de rage de Kate e propõe um teatro com ela: enquanto Jack interroga Navarro, Kate invade a sala e ameaça matar Navarro que caga nas calças e fornece a informação necessária para que o dispositivo fosse localizado.

Enquanto isso, Chloe e Adrian chegam ao novo QG da célula hacker e…todo mundo morto. O pior? Cheng, o chinês maldito, e sua trupe eram os responsáveis pelas mortes.  Pra quem não se lembra, Cheng é o cara que sequestrou e torturou Jack Bauer durante 18 meses. Cheng era o verdadeiro responsável pelo desenvolvimento do dispositivo (que não servia só pra controlar Drones). Pra encurtar a história, Adrian revela a Chloe que o assassinato de sua família nada teve a ver com a ocupação dela e que ele usou este fato apenas para mantê-la por perto.

Dito isto, tiro na cabeça e um abraço pra ele. Chloe é forçada a reprogramar o dispositivo mas consegue colocar um vírus no aparelho. Jack, que estava no encalço da gangue é atacado pelos russos, graças ao fato de que Mark – o chefe de gabinete – ter revelado aos mesmos uma maneira de localizá-lo. O episódio termina com o dispositivo sendo usado por Cheng para emular uma ordem de ataque de um submarino americano em um alvo chinês. War!

tzi-ma-cheng-zhi-gun-24-live-another-day-episode-10

Episódio 11

Jack consegue finalmente se livrar dos malditos russos e chega ao esconderijo de Cheng, já abandonado. Ali, ele descobre que o chinês maldito está vivo, graças à astúcia de Chloe em gravar a voz do mesmo em um aparelho celular. Jack então comunica o fato ao presidente, fato este que aplaca o ímpeto do presidente chinês em retaliar o suposto ataque americano.

Jack manda que os analistas investiguem como os Russos tiveram acesso à sua localização e a resposta não poderia ser diferente: Mark foi o cara que colaborou com os Russos.

Em uma cena que todos esperávamos da temporada, vemos Jack confrontar Mark e fazê-lo molhar as calças, admitindo a culpa. Heller fica puto da cara, mas Jack convence o presidente de que Mark ainda poderia ser útil, ao servir de isca para a captura do gordo russo mor.

Durante seu “cativeiro”, Chloe consegue dar um jeito de escapar se jogando da van que a levava aprisionada. Contou a seu favor o fato de que o exército patrulhava o local, o que dificultou que ela fosse encontrada.

Aí veio o calcanhar de Aquiles do episódio e de toda temporada: no intuito de ajudar, Audrey contata uma amiga do consulado chinês. Cheng intercepta o contato, mata todo mundo (menos Audrey) e a faz refém de um atirador de elite bem posicionado.

Um encontro a céu aberto? Londres sob ataque e ameaça terrorista, Cheng a solta e a filha do presidente Americano andando pelas ruas livre e solta pra encontrar uma amiguinha? Sei.

24-lad-june-9-ratings

Episódio Final

Audrey sob a mira de um sniper e Jack no encalço de Cheng. Assim começa o episódio final de 24 horas. Kate está com Audrey e tenta desesperadamente solucionar a situação.

Jack está acompanhado de Belcheck, uma boa surpresa da temporada (um Jack Bauer do leste europeu). Impressionante a facilidade com que eles derrubam um a um dos soldados de Cheng, graças a uma Chloe que apareceu e ofereceu ajuda.

Do lado de lá, Kate instrui Audrey via telefone celular (viva voz) para que esta ajude a localizar o paradeiro do atirador de elite. Paradeiro localizado, e o atirador é neutralizado.  Nisto, outra cagada monstra da série: depois de resgatada, Audrey, Kate e agentes saem a pé novamente por Londres, como se tudo tivesse bem. Aí aparece outro atirador chinês do inferno e o relógio soa silencioso para Audrey. She´s dead.

Jack toma conhecimento da morte da antiga namorada e a fúria toma conta do seu ser (um dos pontos altos da temporada). Ele sai matando chinês a rodo, tipo a Alemanha fazendo gol no Brasil. Finalmente Cheng é capturado. O reconhecimento facial é aplicado e o presidente chinês se convence de que Heller estava com a verdade. Cheng então tem sua cabeça decepada por Jack.  Ufa.

O formato de 12 episódios permite um salto de 12 horas no tempo. Sendo assim, vemos o desfecho final de cada personagem, o que fecha melhor a temporada: a dor de Heller ao ver o caixão da filha, Mark sendo levado em custódia, Kate entregando suas credenciais e Jack sendo finalmente levado pelos Russos para Moscou, em troca da liberdade de Chloe. Ao entrar no helicóptero, vemos um Jack novamente em apuros, como nos finais de tantas outras temporadas.

Kim-Raver-Audrey-24-Live-Another-Day-Cast-Photo-1024x683

Pitaco final sobre a temporada

E aí, valeu a pena trazer Jack de volta? Na minha opinião, sim. Vimos uma temporada excelente, cheia de reviravoltas e personagens típicos. Vimos também várias cenas épicas, do tipo que ficarão no panteão de melhores cenas de 24 horas.

Obviamente, algumas coisas jamais mudam na série. O que sempre podemos esperar de 24 horas:

  • Um mocinho que vira vilão. Já tivemos Nina Meyers, nesta temporada foi a vez de Navarro;
  • Um vilão escada: em várias temporadas, os verdadeiros vilões sempre apareciam no final. Aqui, Margot passou a bola pra Cheng;
  • O relógio silencioso: uma das características da série é silenciar o beep quando um personagem querido se despede deste mundo. Já tivemos Palmer, a esposa de Jack, Michelle. Desta vez foi Audrey quem fez o relógio silenciar;
  • Jack, um presidente e a solução: impressionante a capacidade de Jack sempre ser a última solução pra tudo. E como podemos ter a certeza de que ele vai – com toda certeza – se encontrar com o presidente Americano, seja ele quem for;
  • Árabes causando, russos com sotaque e chineses malditos: auto-explicativo, né? Tem que ter um genótipo perfeito de terrorista, senão não é 24 horas.

Que 2015 nos brinde com mais uma excelente temporada de 24 horas. Vamos ver como Jack vai fazer pra escapar da Rússia e os desdobramentos de tudo isso. Para os fãs de 24 horas, até lá!

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...