Quebrando a quarta parede

Com a chegada de Deadpool à grande tela, um dos mais notórios recursos do cinema ganhou destaque nos últimos dias: A quebra da quarta parede. Vamos entender um pouco o que isso quer dizer.

Veja a nossa crítica de Deadpool, clicando aqui!

A maioria das técnicas cinematográficas nos imerge à uma história e nos faz esquecer que estamos assistindo a um filme. Mas quebrar a quarta parede faz o contrário, nos recordando que somos, na verdade, um membro da audiência observando o que está acontecendo na tela.

Curtindo a vida adoidado (1986) é um dos maiores exemplos da técnica até hoje.

“Go home!” Curtindo a vida adoidado (1986) é um dos maiores exemplos da técnica até hoje.

Para realmente entender o poder desta técnica, precisamos olhar para a sua criação no teatro. Uma definição seria: técnica dramática em uma obra de ficção onde os personagens demonstram ter consciência que eles são parte do mundo encenado. O recurso é antigo. Vem desde a Grécia Antiga e continuou através do tempo por Shakespeare e até o teatro pós-moderno. E especialmente em musicais. O termo tornou-se popular em 1800 e surgiu pela primeira vez após o uso de conjuntos de planos que formavam uma estrutura de três paredes, onde a quarta era a parede imaginária entre o público e os artistas no palco. Assim, sempre que um personagem reconhece a presença do público, a quarta parede é quebrada. Obviamente, a técnica não é exclusiva do cinema ou teatro, e pode ser muito bem utilizada em outros meios como videogames, quadrinhos, televisão e literatura.

Talvez o uso mais popular dessa técnica seja na comédia. O cinema norte-americano, principalmente o gênero non-sense, foi responsável por divertidos usos dessa técnica. Nas mãos do cineasta Mel Brooks, conhecido por suas sátiras como S.O.S. – Tem um louco solto no espaço (1987) e A louca louca história de Robin Hood (1993), o recurso é indiscutivelmente divertido. Outro ótimo exemplo é a comédia britânica Monty Python – Em Busca do Cálice Sagrado (1975).

Frank Underwood (Kevin Space) em House of Cards: Alguns de seus diálogos são direcionados ao espectador.

Frank Underwood (Kevin Space) em House of Cards: Alguns de seus diálogos são direcionados ao espectador.

A quarta parede também é usada como parte da narrativa. A personagem descobre que faz parte de uma ficção e a quebra para estabelecer um contato com a audiência. Isso ocorre em filmes como O Último Grande Herói e A Rosa Púrpura do Cairo, onde personagens saem dos filmes que habitam e espectadores adentram a película;

O Show de Truman, onde o personagem-título percebe que sua vida é uma espécie de reality show filmado em um gigantesco estúdio; no filme Mais Estranho que a Ficção, onde o personagem principal começa a ouvir a narração de sua própria vida; e o livro O Mundo de Sofia, onde os personagens de um livro sendo escrito percebem seu caráter ficcional e tentam descobrir como conseguir sua liberdade. Nesse caso, a ‘quarta parede’ que a personagem derruba permanece como parte da narrativa em si. E a parede entre a plateia real e a ficção permanece intacta. Histórias como essas não derrubam efetivamente a quarta parede – apenas se referem a esse recurso.

Conclusão

Como podemos ver, a técnica pode contribuir para a narrativa visual de um filme de muitas maneiras diferentes. Dependendo de como ela é apresentada. A quebra da quarta parede pode ser utilizada, por exemplo, para perturbar. Não há nada mais assustador do que se sentir seguro e afastado do vilão… E de repente ele olhar diretamente para você, como em Psicose…

Psicose (1960)

Psicose (1960)

Além de Deadpool e dos exemplos que citamos nesta matéria, você pode ver essa técnica sendo aplicada de forma excepcional na série House of Cards, disponível na Netflix.

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...