Solo Mid – League of Legends

Nunca fui um bom jogador de MOBA. Era bem fraco no primeiro DotA e pior ainda no segundo. Ano passado descobri o League of Legends. Pensei comigo mesmo: “Bem, vou baixar, jogar por duas semanas e largar por que sou muito ruim”. Dito e feito. E fiquei bons três, quatro meses sem jogar. Até que, conversando com os stormers Saulo e Albergoni junto de outros amigos, resolvi voltar ao mundo dos invocadores. E foi a melhor coisa que eu poderia ter feito.

Ache seu estilo

Primeiramente vou dizer que usarei aqui alguns termos do jogo que já foram explicados nessa matéria. Então, qualquer dúvida, consultem-na.

Eu comecei jogando no top de tanker, pois achava mais fácil jogar com um personagem parrudo que tomava menos dano. Mas, em conseqüência, não matava ninguém. E caramba, todo jogador novato que matar né? Dá uma satisfação danada. Então comecei a buscar outros campeões para jogar. AD Carry eu fui até bem, mas ainda não era o que eu queria. Tentei de suporte e fui uma completa negação. Até que uma amiga me disse que o tal do Teemo, campeão bastante odiado em partidas PvP, era uma boa para começar a tomar gosto por matar. Olhei a imagem do mesmo e demorei a me convencer. Como uma criatura tão pequena como ele (um guaxinim escoteiro com uma zarabatana??) pode ser tão violenta? As aparências enganam não só na vida, mas no League of Legends também.

Teemo_0

“Cogumelo do Capeta!”

Primeira partida de Teemo e já entendi por que o mesmo era tão odiado. Suas skills consistem basicamente em dano mágico + veneno. O “Q” é um ataque direto ao inimigo que causa um dano mágico bastante considerável, além de dar uma breve “cegueira” e deixar o inimigo envenenado. O “W” aumenta sua velocidade de movimento passivamente até que ele receba um dano de torre ou campeão inimigo. Pode ser acionado para que ele mantenha a velocidade mesmo depois de atingido. O “E” é uma passiva que faz com que cada ataque básico de Teemo cause dano de impacto e veneno durante 4 segundos. E por último, o “R”, carinhosamente chamado por mim de Cogumelo do Capeta, consiste numa armadilha em forma de cogumelo, que pode ser colocada em qualquer lugar no mapa.

Depois de acionada, entra em funcionamento e fica invisível (para o time adversário) após 2 segundos. O inimigo (tropa ou campeão) que encostar na armadilha recebe lentidão, dano mágico considerável e envenenamento. Os cogumelos podem ser usados para teleport de campeões aliados (usando o poder de invocador) e tem um tempo de duração de 10 minutos (!!!), podendo ser colocados até 3 de uma só vez antes de esperar a skill recarregar.

A facilidade de jogar com Teemo se dá ao alto dano logo no começo da partida (fase chamada de early game), sua velocidade de movimento e seu dano passivo com o veneno. Eu comecei jogando com ele no top, mas perdi algumas partidas quando fui solo. Passei então para o mid, a lane que mais jogo hoje em dia. E foi lá que eu realmente tomei gosto pelo jogo.

Katarina_0

“Cadê o jungle que não ganka?!?”

Jogar no mid é bacana e também bastante complicado. Justamente como o nome diz, você se encontra no meio do mapa, com jungle de ambos os lados te separando das outras lanes. Ou seja: Você, a qualquer momento, pode ser surpreendido por um campeão inimigo vindo de ambos os lados. Levando em consideração que os campeões que jogam nessa lane são mais fracos fisicamente e portanto recebem mais dano, o perigo é ainda maior.

Normalmente, os campeões mais comuns nessa lane são os magos, ou então assassinos/lutadores que causam dano mágico. A dificuldade se concentra em controlar a distância (visto que a esmagadora maioria dos campeões desse estilo ataca de longe) e não morrer primeiro, em hipótese alguma. Evitar o farm do inimigo é primordial, visto que é uma luta 1×1 e por vezes 1×2, enfrentar dois inimigos no mesmo nível/mais fortes que você se torna algo complicado.

TwistedFate_0Com qual campeão jogar?

Com o passar do tempo (e muitas partidas depois), posso dizer que tenho meus campeões preferidos. Obviamente que todos esses que citarei são os meus escolhidos. Eles se adaptam melhor ao meu jeito de jogar, não necessariamente sendo os melhores. Vale salientar também que eu não possuo todos os campeões do jogo (vou casar fim do ano galera, to $em tempo), então não fique chateado se seu campeão preferido nessa lane não esteja na lista.

Campeões

  • Teemo – O supracitado guaxinim do demônio é um excelente campeão para quem está começando. Fácil de dominar e divertido de jogar, te da boa noção de controle de distância.
  • Katarina – A bela assassina é extremamente letal. Como não usa mana, precisa somente esperar o tempo de recarga de suas habilidades para assiona-las. Com um combo de skills até tranqüilo de executar, pode causar um grande dano mesmo com poucos itens em sua build. Sua passiva, que consiste em diminuir em 15 segundos o tempo de recarga toda vez que executa ou assiste a execução de um campeão, faz com que as possibilidades de combos sejam bem grandes.
  • Lux – Um dos campeões mais versáteis para jogar no mid, Lux tem habilidades que facilitam o combo, além de ser extremamente útil em “team fights”. Seu “E” faz com que ela lance seu bastão, que vai e volta protegendo todos os campeões aliados que encontrar pelo caminho. Seu “R” causa um dano bem alto, principalmente no late game.
  • Veigar – O pequeno bruxo tem um combo mais complicado de executar do que os outros citados, porém muito eficiente quando encaixado. O seu “E”, que paralisa os inimigos por até 2.5 segundos é bastante eficiente em “team fights”, dando boas possibilidades de ataque ao seu time.

Lux_0

Por último, deixo mais uma dica para vocês: A melhor forma de aprender a jogar, em qualquer lane, é praticando. Não tenha medo de perder, faz parte do aprendizado. Com o passar do tempo, você cria sua identidade, sua forma de jogar. E você buscará um melhor desempenho dentro de suas qualidades e limitações. Dicas são úteis é verdade, mas criar seu próprio modo de jogo é ainda melhor. Use-as como um start, uma luz. E fiquem ligados, pois vêm mais dicas por ai. Na próxima matéria sobre League of Legends, falaremos do queridinho das partidas, o AD Carry.

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...