Trilogia da Escuridão #1: Noturno

Em uma época em que o cinema e a TV entrariam no início do período de saturação vampiresca, com Crepúsculo, The Vampire Diaries e True Blood, Guillermo Del Toro (Labirinto de Fauno, Hellboy) teve uma ideia para uma série do gênero, não conseguindo quem a comprasse. Então, em parceria com o escritor americano Chuck Hogan, nasceu The Strain Trilogy (Trilogia da Escuridão, aqui no Brasil).

O primeiro livro, The Strain (Noturno) foi publicado em 2009. Logo surgiram ofertas para filme e série de TV, que foram recusadas. Del Toro explicou ao site Deadline que naquele momento, eles precisavam terminar a linha de raciocínio e não queriam nenhuma influência na forma que ele e Hogan estavam escrevendo. Os livros seguintes foram publicados em 2010, The Fall (A Queda) e 2011, The Night Eternal (Noite Eterna). Terminei de ler Noturno há poucos dias. Me impressionei como Del Toro e Hogan abordam o tema (de forma biológica e científica). Sem contar a clara homenagem ao grande Drácula de Bram Stoker.

A história inicia quando um Boeing 777 da Regis Airline, vindo de Berlim, aterrissa no aeroporto JFK, sem comunicação ou sinal de vida. Intrigados com o caso, a equipe do aeroporto envia um alerta para o Centro de Controle de Doenças (CDC). Ephraim “Eph” Goodweather, chefe do Projeto Canário, uma equipe de resposta rápida que lida com ameaças biológicas, é enviado para investigar o caso. Junto com sua colega Drª. Nora Martinez, embarcam no avião e encontram todos mortos, exceto quatro pessoas.

Em outro local, em uma casa de penhores no Harlem espanhol, um ex-professor de história e sobrevivente do Holocausto, chamado Abraham Setrakian sabe de algo terrível, um antigo inimigo que viajou o Atlântico e que uma guerra não-natural está se formando. Óbvio que uma homenagem a Bram Stoker não poderia faltar um expert em vampiros, não é? Van Helsing, um dos personagens mais icônicos de Drácula, se chamava Abraham e era professor também.

Assim começa uma batalha de proporções gigantescas. Investigando a fundo, Eph se depara com um estranho caixão (aqui, mais uma referência a Bram Stoker), cheio de terra, cujo dono é denominado apenas como Mestre, o responsável pela pandemia. Logo, o vírus vampírico começa a derramar sangue nas ruas de Nova York. Ephraim se junta a Setrakian e um pequeno grupo de combatentes, tentando desesperadamente parar o contágio para salvar a cidade e quem ele ama.

Perversos

Esqueça aqueles vampiros sedutores, com pó de arroz na cara e que brilham no sol. Em Noturno, a natureza perversa e animalesca dos seres da escuridão é resgatada. Os vampiros são tratados biologicamente, com um parasita que transforma os humanos. E essa metamorfose é lenta. Cada mudança na fisiologia humano-vampiro é bem detalhada e tudo tem uma explicação. Por exemplo, os infectados ouvem um zumbido e algo que os autores descrevem como um som de tum tum próximo a fase de total transformação.

É o som pulsante do coração de quem está próximo a eles. Também a mudança da voz para um som gutural. Quando o sistema respiratório e digestivo é alterado para receber um ferrão. Sim, em Noturno, os vampiros não possuem dentes afiados, e sim uma língua que se assemelha a um ferrão que eles usam para atacar a distâncias longas (chegando a quase 2 metros) e se alimentar de suas vitimas. Essa língua, após a transformação, é uma extensão do estômago.

Além do presente, o livro faz diversos flashbacks contando a história de Setrakian e seu primeiro contato com o Mestre. Vemos a história também do ponto de vista de alguns infectados. O que em certos momentos, deixa a leitura um pouco lenta, mas não deixa de ser interessante.

Noturno é uma ótima indicação para quem curte o gênero. É um livro que inicia testando a crença de todos. Como um parasita poderia transformar humanos em seres que até então eram lendas? Como um médico e responsável por um projeto que busca a cura de doenças vai lidar com essa situação? Quem realmente é o Mestre e quais os seus planos?

E em breve, escrevei sobre a recém lançada série The Strain (ainda sem previsão no Brasil), baseada na Trilogia da Escuridão.

*A imagem em destaque é da HQ adaptada de The Strain, lançada em 2011 pela Dark Horse Comics.

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...