Crítica | It – A Coisa

Quando eu era criança (e não tinha acesso à internet), às vezes via a imagem de um palhaço aterrorizante nos comerciais de filmes que passavam de madrugada na televisão. Essa imagem me despertou interesse, mas demorei muitos anos para descobrir o que era aquela figura estranha. Sabia apenas o nome do filme: It – Uma obra prima do medo. Obviamente, minha mãe não deixava eu assistir… E acabou caindo no esquecimento para mim.

Muitos anos depois, e com o gosto pela leitura, decidi buscar livros de alguns autores específicos. E foi então que (re)descobri It, de Stephen King, com suas incríveis e intensas 1100 páginas. E fui novamente em busca do filme (que mais tarde descobri que era uma série) e se tornou uma das minhas adaptações preferidas!

Em 1986, It, o 22º livro do autor, chegou às livrarias e foi um grande sucesso. Quatro anos depois, foi produzida uma minissérie para TV, estrelada por Tim Curry no papel do vilão Pennywise, o Palhaço Dançarino (do mal).

Vinte e sete anos depois, It – A Coisa, dirigido por Andy Muschietti e estrelado por Bill Skarsgård, no papel do palhaço chega aos cinemas mostrando que a nova versão veio para se tornar um clássico do terror.

Crítica | It - A Coisa

A história se passa na cidade de Derry. É um dia chuvoso em 1988. Georgie pede a seu irmão mais velho, Bill, que está de cama, para fazer um barco de papel para ele brincar na rua. Georgie corre contente por sua rua, enquanto seu brinquedo flutua pela água que escorria pela calçada e entra em um bueiro. Bem… é aí que conhecemos Pennywise, que convida o menino para “flutuar também”. Pelo trailer você pode ver que a cena é intensa. Mas é pior do que imagina.

[miptheme_quote author=”Pennywise” style=”pull-left”]Você irá flutuar também…[/miptheme_quote]

Alguns meses se passam e Bill ainda não acredita que seu irmão está desaparecido. Junto com seus amigos, eles formam o grupo chamado Perdedores e aos poucos descobrem a verdade: a presença demoníaca de Pennywise assombra a cidade há muitos anos. Nenhum adulto da cidade parece se incomodar com os desaparecimentos que curiosamente acontecem a cada vinte e sete anos (lembra que o filme demorou esse mesmo tempo para ser lançado? #medo). Os Perdedores talvez sejam a única salvação da cidade.

Crítica | It - A Coisa

Uma das minhas preocupações era em relação ao elenco mirim, que está na linha de frente do filme. E, para o meu alívio, eles foram muito bem. As crianças são primordiais para a história e seus papéis foram bem executados. E você provavelmente vai reconhecer o “engraçadão” Richie (vivido por Finn Wolfhard de Stranger Things – aliás, a série da Netflix bebe muito da fonte dos clássicos de Stephen King).

Cada criança tem seus traumas e são exatamente esses pontos que interessam à Pennywise: o demônio utiliza o medo para atacar suas presas. E o medo de cada personagem é extremamente visual (além de causar frio na espinha quando utilizados pelo palhaço). Do outro lado, todos os adultos são desequilibrados de certa forma, o que atesta ainda mais a importância dos Perdedores para a história. Para mim, os destaques mirins são Jaeden Lieberher (Bill), Sophia Lillis (Beverly) e Jeremy Ray Taylor (Ben). Foram realmente muito bem!

Pennywise é vivido pelo sueco Bill Skarsgård. E o ator vem se destacando a cada ano. Ele estrelou a série Hemlock Grove da Netflix (a primeira temporada é ótima, mas meio que se perde nas temporadas seguintes) e apareceu em outro filme que está em cartaz, ao lado de Charlize Theron, Atômica. Bill conseguiu mostrar um vilão aterrorizante e convenceu demais no papel. Uma curiosidade: Ele vem de uma família de atores. Seu pai é Stellan Skarsgård (Erik Selvig de Thor) e é irmão de Alexander (de True Blood e A Lenda de Tarzan) e Gustaf (Floki de Vikings).

Crítica | It - A Coisa

Tim Curry (1990) e Bill Skarsgård (2017)

Mais do que terror

Para mim, It – A Coisa não deve ser taxado apenas como um filme de terror. Ele vai além. É um filme de aventura e superação com toques de terror. E vale muito a pena! Só achei uma pena os créditos finais terem entregado uma surpresa do filme…

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...