Crossing Souls

A década de 1980 é recheada de grandes produções no cinema como Gremlins, Os Goonies, Os Caça-Fantasmas, entre outros. Atualmente, ela vem sendo explorada em filmes e séries, como Stranger Things e It, e sempre rende boas referências. É a hora de sair da grande tela e participar, virtualmente, desta época. O desenvolvedor independente Fourattic e a Devolver Digital lançaram no dia 13 de fevereiro de 2018 para PC e PlayStation 4, Crossing Souls, uma viagem nostálgica pela década de 1980.

Crossing Souls é um jogo de ação e aventura que nos leva a 1986, na Califórnia, e conta a história de um grupo de amigos que viverão o verão de suas vidas depois de descobrir um artefato misterioso, cujos poderes eles não entendem completamente, mas que irão mudar suas vidas para sempre. Essas crianças desafiarão as leis da natureza a interagir entre dois planos da realidade: a vida e a morte. Quando a curiosidade deles desencadeia uma série de eventos inesperados, suas aventuras os levarão longe de casa onde está à sombra de conspirações secretas e obscuras do governo – incluindo um misterioso general do Exército dos EUA com seus próprios planos nefastos.

O jogador deve alternar entre os jovens heróis com habilidades únicas enquanto lutam contra os conspiradores e fantasmas malignos. O grupo deve coletar pistas e pular entre os reinos para resolver o mistério em volta de Duat, um artefato que permite enxergar o mundo dos mortos.

Chris, o líder do grupo, é acordado por seu irmão, Kevin, que o chama pelo Walkie Talkie e convoca todos os amigos para verem algo inacreditável. Ao chegar no local, Kevin mostra ao grupo um corpo em decomposição segurando o artefato que mudará completamente as suas vidas (aqui, uma grande referência ao filme Conta Comigo).

Logo de cara, uma das coisas que mais me chamou atenção são os belos gráficos, em pixel art. É impressionante! Os efeitos sonoros e músicas são bem executados e ajudam na imersão. Aliás, o ponto importante do jogo é exatamente esse: a imersão na história. Eu me senti preso ao roteiro, querendo saber o que iria acontecer com o grupo. E, principalmente, senti muita raiva do Sargento Heartless, capanga do grande vilão (não darei spoiler, claro).

Crossing Souls

Em relação ao gameplay, você pode controlar todos os cinco personagens e utiliza-los de forma variada. No entanto, eu senti que alguns personagens são pouco utilizados durante a progressão do jogo. Chris pode escalar, Matt consegue saltar a longas distâncias (até sua stamina acabar) usando um jetpack, Charlie (a única menina do grupo – alô alô It) utiliza seu chicote para atravessar o mapa se tornando um estilingue humano (que é utilizado pouquíssimas vezes), Big Joe pode mover objetos e Kevin apenas tem habilidade de abrir portais e chegar a pontos que outros do grupo não chegam. Até durante as batalhas, certamente você vai ficar entre dois personagens – Big Joe, o trator do grupo, que tem o soco mais forte e Chris, que é o mais balanceado. A stamina é importante durante das lutas. Cada movimento, seja atacar ou esquivar, gasta uma quantidade de stamina. Se a barra esvaziar, o personagem fica parado até recobrar o fôlego, o que abre a guarda para os inimigos atacarem. Existe uma certa diversidade de inimigos que vão desde ratos e aranhas até fantasmas com ataques corpo-a-corpo ou à distância.

Os chefes de Crossing Souls são interessantes, com alguns minigames como um fantasma que toma dano após você jogar o clássico Genius, um jogo de sequência entre as cores amarela, vermelha, verde e azul. Porém, os danos dos inimigos chegam a ser surreais perto da quantidade de itens ou corações utilizados para recuperar a energia que são dropados quando o jogador derrota um oponente. É, no mínimo, desafiador.

Crossing Souls

As referências à década de 1980 são os grandes destaques. Eu ri diversas vezes com elas, como por exemplo, quando o grupo causa confusão em uma loja do chinês Shen Lee (Big Trouble in Little China ou Os Aventureiros do Bairro Proibido, talvez?) e você pode tentar comprar um bichinho peludo com orelhas pontudas e alérgico à água (Gremlins!). Mas o jogo é um festival de referências que vão desde Poltergeist, Os Caça-Fantasmas até De volta para o Futuro!

O que achamos de Crossing Souls?

Crossing Souls é um belo jogo, divertido e imersivo. O gameplay pode deslizar um pouco e ser frustrante em alguns momentos, principalmente na parte final que fica quase impossível perto do restante do game, mas o roteiro é muito bem trabalhado e as referências são fantásticas.

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...