Um Lugar Silencioso | Crítica

É um feito notável um filme de terror de baixo orçamento deixar muita gente impressionada. Isso acontece com Um Lugar Silencioso, que estreou discretamente e vem conquistando o público e os críticos. Com um orçamento de US$ 17 milhões, dirigido e estrelado por John Krasinski e com Emily Blunt no elenco (que aliás, formam um casal “fora das telas”), o filme vem superando as expectativas. Isso reflete na sua bilheteria que conseguiu lucrar US$ 18 milhões em apenas um dia de exibição. E isso apenas nos EUA.

Em uma fazenda nos Estados Unidos, uma família do Meio-Oeste é perseguida por uma entidade fantasmagórica assustadora. Para se protegerem, eles devem permanecer em silêncio absoluto, a qualquer custo, pois o perigo é ativado pela percepção do som.

Um Lugar Silencioso

A trama mostra um casal e seus filhos, vivendo isolados em uma fazenda, se escondendo de uma criatura. A família aprende a conviver em silêncio, utilizando apenas a linguagem de sinais para se comunicar (que conta com em torno de 5 minutos de diálogos). Além disso, eles criaram formas de se locomover para locais próximos para conseguir suprimentos, andando descalços e apenas em rastros de areia para abafar o som.

Logo de cara, somos colocados no clima tenso que o filme se propõe a passar. O absoluto silêncio do começo, somente é quebrado quando a trilha sonora inicia. Talvez dando um tom mais calmo para o momento, que logo, poucos minutos depois, se tornaria extremamente tenso. E durante (apenas) 1h30, nos vimos presos a cadeira do cinema, apertando o braço da poltrona, tensos, ansiosos, soando frio.

O filme não se preocupa em mostrar a origem do problema, afinal, é a história de uma família tentando sobreviver. Mas é possível ver fragmentos do ocorrido e recortes de jornais durante as cenas que o pai está em seu “escritório”, traumatizado e tentando entender tudo que acontece, enquanto busca uma forma de arrumar o aparelho auditivo de sua filha.

A atuação da família é ótima. Talvez o elo mais fraco seja a atuação da filha, mas ainda assim não compromete o filme. Você com certeza vai ficar tenso com cada cena, principalmente com a mãe (Emily Blunt).

Um Lugar Silencioso

O filme é ousado, centrado nos personagens, praticamente um terror experimental, mais baseado no suspense e tensão.  E é fantástico ver uma história original, sem ligação ou referências à outros filmes ganhar um status tão importante quanto vem ganhando Um Lugar Silencioso. Afinal, atualmente, o público vem esperando grandes produções, franquias e suas continuações. Que venham mais filmes assim!

Seja nosso padrinho/madrinha!

Nós sempre fizemos (e sempre faremos) tudo isso por uma única razão: a gente adora isso!

Até hoje, sempre bancamos tudo do nosso próprio bolso: hospedagens, jogos, equipamentos, materiais, divulgação. E mesmo com nossos trabalhos, nossa dedicação e paixão ao PlayStorm fez com que a gente conquistasse um público muito bacana.

E você pode ajudar a gente a manter tudo isso funcionando! Torne-se nosso padrinho ou madrinha! <3

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...