Crítica | Silêncio

Silêncio não é um filme fácil. É um filme, basicamente, sobre a fé levada às últimas consequências. E quando falo em consequências, estas estão lá sob as mais vis formas de tortura e persuasão, física e psicológica, infligidas sobre aqueles que ali estão para provar sua fé. Extremamente perturbador.

A jornada começa quando os padres Rodrigues (Andrew Garfield) e Garupe (Adam Driver) partem para o Japão a fim de resgatar aquele que era o mentor espiritual de ambos, padre Ferreira (Liam Neeson) em um Japão que promovia de forma institucional a perseguição contra o cristianismo que havia vivido naquele país, nos anos anteriores, um florescer admirável: 300 mil japoneses convertidos.

Nos minutos iniciais, temos uma amostra do tom amargo que vai nos acompanhar nas horas por vir: padres japoneses torturados e crucificados ao não negarem a fé, em uma árida e silenciosa paisagem, em Nagasaki.

Excelente do ponto de vista técnico (edição e fotografia impecáveis),  é no uso do silêncio como a trilha sonora principal o que faz deste filme uma experiência verdadeiramente cinematográfica: desde a sequência de abertura, passando pelos momentos mais impactantes e mesmo naqueles onde a fé vacila (o que acontece principalmente com Rodrigues) o silêncio surge mais doloroso do que o mais estrondoso dos ruídos, interrompido apenas pelo uivo do vento e do quebrar das ondas, por uma ave solitária no céu ou mesmo pelo canto daqueles que, diante da morte, encontram forças para fazer da fé o seu último ato.

Essa tensão, onipresente, é parcialmente aliviada quando Kichijiro (Yosuke Kubozuka) surge em cena. O personagem, que inicialmente parece ser apenas um alívio cômico bobo, ganha profundidade conforme a história se desenrola. É uma espécie de Gollum católico, sempre tateando o caminho da redenção e da perdição.

O filme, aliás, tem o mesmo impacto sobre não católicos? Difícil dizer. Em determinado momento, a mística dos ritos católicos se faz notar na carência que aquelas pessoas tinham em relação à missa. A simples presença de um padre, para os aldeões, já é vista como uma resposta de Deus. Finalmente haveria a oportunidade da participação plena nos mistérios da igreja. A mesma resposta de Deus parece ser difícil de ser notada por Rodrigues, que externa a realidade de um Deus silencioso, calado, insensível ao sofrimento daqueles dispostos a morrer em nome dEle.

Conclusão

E é esse silêncio, reforçado pelas escolhas técnicas de Scorsese, o principal questionamento do filme. Deus está em silêncio? Deus está insensível? Existe Deus? O filme não se propõe a resolver essas questões de maneira lógica, racional. No fim das contas, a resposta que o filme dá a esses questionamentos é bastante subjetiva: Ou Ele está em silêncio ou precisamos aprender a ouvir a Sua voz.


Silêncio (Silence, 2016)

Direção: Martin Scorsese

Elenco: Adam Driver, Liam Neeson, Andrew Garfield, Ciáran Hinds, Yosuke Kubosuka, Issei Ogata, Shin’ya Tsukamoto.

Baseado no livro de Shûsaku Endô.

Se inscreva em nosso canal!

Curta nossa fanpage

Últimos Posts
Good Omens | Crítica
  • 29 de novembro de 2019
Ford vs Ferrari | Crítica
  • 28 de novembro de 2019
Capitã Marvel | Crítica
  • 10 de março de 2019
FIFA 19 | Draft FUT Online
  • 30 de novembro de 2018
Red Dead Redemption 2 – O melhor jogo da minha vida
Login
Loading...
Sign Up

New membership are not allowed.

Loading...